Quando se trata da contratação do acesso a um serviço ou produto, a cobrança recorrente (também chamada de assinatura recorrente) é o modelo de negócios mais utilizado e que gera resultados mais positivos.

Mas afinal, o que é a cobrança recorrente? Basicamente, é aquela cobrança feita em casos de serviços contínuos, nos quais há assinaturas ou pagamentos que são feitos semanal, mensal, semestral, anualmente etc.

Graças aos avanços da tecnologia, a cobrança recorrente tem mudado o mercado. No entanto, não é de hoje que esse tipo de pagamento existe. O pagamento recorrente sempre esteve no nosso dia a dia. Antigamente, era a forma mais utilizada para a assinatura de revistas e jornais. Hoje em dia, já se estende para o pagamento de inúmeros serviços, como softwares, condomínios, imobiliárias, cursos, clubes, academias e muitos outros.

Nesse sentido, esse assunto se apresenta como realmente muito interessante e importante para o crescimento comercial da sua empresa. Agora que você já está por dentro do que é a cobrança recorrente, conheça um pouco mais sobre o tema e veja a estratégia que a Netflix utiliza com essa forma de pagamento para saber como aplicá-la no seu negócio. Boa leitura!

As diferenças entre parcelamento e pagamento recorrente

Comparar essas duas formas de pagamento é muito comum quando se está conhecendo o que é a cobrança recorrente. Mas, na verdade, existem grandes diferenças entre as duas que valem a pena serem ditas, para evitar possíveis confusões e tornar o entendimento do assunto mais fácil.

O parcelamento é a forma de pagamento de uma taxa única que será dividida em duas ou mais vezes. Sendo assim, mesmo que a entrega do produto seja efetuada, o cliente deverá continuar pagando as parcelas até que complete o valor da taxa única e possíveis juros em cima dela. As parcelas do produto são cobradas todos os meses até que se complete o preço total dele.

No caso do pagamento recorrente, o produto continua sendo entregue juntamente com o pagamento dele. Para deixar mais claro, os serviços que são pagos de forma recorrente, assim como o pagamento, precisam ser contínuos.

Caso o cliente compre algo que utiliza a cobrança recorrente mas não receba o produto, ele pode recorrer a serviços de proteção ao consumidor e ficar livre de pagar os serviços naquele período. Isso acontece pois o usuário está pagando o valor total do produto todos os meses e tem o direito de ter todo o acesso a ele durante o período da assinatura.

A influência da Netflix na cobrança recorrente

Com a criação da Netflix lá em 1997, iniciou-se uma revolução não só para o mercado de entretenimento mas também para o modelo de pagamento que era utilizado para receber por serviços e produtos. E foi com a influência dela que vimos a economia da recorrência se consolidar no mundo todo.

A cada ano, mais e mais empresas aderem ao modelo de assinatura recorrente ou, até mesmo, passam a criar diversos serviços e produtos que podem ser disponibilizados de forma regular. Dessa forma, o padrão de pagamento pontual ou a compra de licenças ficou no plano de fundo, já que agora os consumidores passaram a optar pelo pagamento recorrente no formato de assinaturas.

Como a Netflix começou

Mesmo sendo um dos maiores nomes quando o assunto é cobrança recorrente, a Netflix não foi criada nesse modelo.

No início, os fundadores da empresa começaram com a ideia de locação de DVDs via e-mail. Porém, esse modelo era muito demorado e começou a se tornar inviável. O cliente tinha que escolher um filme, fazer o pedido por e-mail, esperar o DVD chegar à sua casa, assistir e então fazer a devolução dele.

Então, em 1999, a Netflix teve a grande ideia de inovar na forma de pagamento, disponibilizando o aluguel de filmes em formato de assinaturas. Também foi feita a substituição dos DVDs pelo serviço de streaming. Assim, qualquer pessoa passou a poder assistir a seus filmes e séries de qualquer lugar e a qualquer momento, sem nenhuma complicação ou espera.

Como a Netflix utiliza a assinatura recorrente

Como já foi dito aqui, atualmente a Netflix é um dos maiores casos de sucesso na cobrança recorrente. Por isso, vale muito a pena prestar atenção em como essa empresa oferece suas assinaturas. Nas estratégias da empresa, as formas de pagamento oferecidas aos clientes são as que seguem.

Cartão de crédito

O cliente que está conhecendo os serviços da empresa e quer passar a ser uma assinante dela pode optar por pagar o serviço via cartão de crédito, uma das formas de pagamento preferidas pelos usuários. Nela é usada a recorrência na cobrança, com a vantagem de isso não contabilizar no limite do cartão.

Cartão de débito

A empresa também disponibiliza o pagamento pelo cartão de débito, o que proporciona ainda mais chances de fidelizar os clientes que preferem esse tipo de pagamento, visto que outras empresas podem não o ter disponível. Essa alternativa conta com a vantagem do pagamento recorrente por meio da cobrança automática.

Débito em conta

Após fazer uma parceria com dois bancos, a Netflix também incluiu o débito em conta, de maneira automatizada e recorrente, nas formas de pagamento disponíveis.

Além de todas essas opções de pagamento que a empresa utiliza, ela conta ainda com uma estratégia bastante utilizada no meio da economia da recorrência e também de serviços SaaS (Software as a Service), que é o que chamamos de Trial.

Isso quer dizer que os novos usuários podem testar os serviços gratuitamente durante 30 dias. Porém, mesmo assim, é preciso que incluam uma forma de pagamento. Ela será utilizada para cobrar o usuário caso não ocorra o cancelamento da assinatura após o período de testes.

A Netflix mudou o modelo de negócio no passado, efetuando a migração para a recorrência e o streaming. Fazendo isso, a empresa pôde ver seus números crescerem exponencialmente e se tornou um dos maiores exemplos de que inovar é essencial para o crescimento no mercado.

Gostou deste post sobre a estratégia da Netflix com a cobrança recorrente? Aprimore seus conhecimentos sobre o assunto com este outro post sobre por que é relevante investir na cobrança digital.